Conversa de Botequim

A canção registrada em 1935 foi feita com o compositor e arranjador paulista Vadico, considerado o maior parceiro de Noel. Em Noel Rosa, uma Biografia (1990), os autores João Máximo e Carlos Didier descrevem a canção como uma "prodigiosa crônica dos cafés cariocas e seus folgados frequentadores", cercados de garçons, cinzeiros, palitos, jogo do bicho, futebol e pagamento fiado. Para o antropólogo Roberto DaMatta, em artigo no jornal O Globo, os "faça o favor" espalhados pela letra representam um marcador cultural que torna o pedido algo "educado", mesmo que ele seja um imperativo abusivo e absurdo. Mas segundo os biógrafos o principal ponto da música Conversa de Botequim, "escorregadia como um choro", é a harmonia entre letra e melodia. "Em nenhuma outra é tão harmonioso o casamento da melodia com a letra, pontuação perfeita, acentuação irrepreensível (nem todos têm muito cuidado para com esse detalhe técnico de uma letra, a acentuação da palavra tendo de coincidir com a acentuação musical, isto é, a sílaba mais forte correspondendo à nota sobre a qual recai o acento melódico)", descrevem. Segundo os biógrafos, não é possível determinar se Vadico foi o responsável pela melodia inteira e "Noel criou para ela os mais exatos versos de toda a canção brasileira", ou se ambos trabalharam na construção da música, hipótese mais provável. Outra parceira de Noel, Aracy de Almeida interpretaria uma das mais conhecidas versões de Conversa de Botequim. (fonte)